Jornal de Goiânia – Propriedade de Michael Jackson bate documentário de abuso sexual

Michael Jackson, na foto que chegou ao seu julgamento na Califórnia em 2005, enfrentou várias alegações de abuso sexual infantil

Um novo documentário que acusa Michael Jackson de abusar sexualmente de dois garotos foi denunciado pela propriedade do pop star como uma tentativa “ultrajante e patética” de explorar seu nome.

“Leaving Neverland”, que será estreada no Sundance Film Festival no final deste mês, conta a história de dois homens que estão agora na faixa dos 30 e alegam que foram abusados ​​sexualmente pelo Rei do Pop quando tinham sete e dez anos.

“Esta é mais uma produção sinistra em uma tentativa escandalosa e patética de explorar e lucrar com Michael Jackson”, disse a cantora em comunicado divulgado pela mídia norte-americana.

Acrescentou que o “assim chamado” documentário foi “apenas mais uma repetição de alegações desacreditadas. É desconcertante porque qualquer cineasta credível se envolveria com este projeto”.

Uma sinopse diz: “No auge de seu estrelato, Michael Jackson começou relacionamentos duradouros com dois garotos, de sete e dez anos, e suas famílias.

“Agora com 30 anos, eles contam a história de como foram abusados ​​sexualmente por Jackson e como eles chegaram a um acordo com isso anos depois.”

Os cineastas confirmaram para a revista Rolling Stone que os acusadores do documentário são o coreógrafo Wade Robson, que entrou com uma ação contra Jackson em 2013, alegando que o cantor o molestou quando ele tinha sete anos, e James Safechuck, que processou Jackson por acusações de abuso sexual. .

Ambas as ações foram indeferidas em 2017.

O diretor Dan Reed, que está por trás de um documentário sobre o ataque terrorista de 2015 contra a revista satírica francesa Charlie Hebdo, defendeu seu documentário em duas partes, batizado em homenagem ao famoso rancho californiano de Jackson.

“Se há algo que aprendemos durante esse período de nossa história, é que o abuso sexual é complicado, e as vozes dos sobreviventes precisam ser ouvidas”, disse ele em um comunicado.

“Foi preciso muita coragem para esses dois homens contarem suas histórias e não tenho dúvidas sobre sua validade.

“Acredito que qualquer um que assistir a este filme verá e sentirá o impacto emocional sobre os homens e suas famílias e apreciará a força necessária para confrontar segredos de longa data.”

Jackson, que morreu em 25 de junho de 2009 após receber uma overdose do anestésico propofol, enfrentou múltiplas alegações de abuso sexual infantil durante sua vida.

Ele foi absolvido de abuso em um julgamento de 2005 na Califórnia e pagou um acordo judicial de US $ 15 milhões em 1994 devido a alegações envolvendo outra criança.

Mostre mais

# Alinne

Alinne é jornalista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo