Jornal JA7 – ONU vota 128-9 para rejeitar a decisão dos EUA sobre Jerusalém

A Assembléia Geral da ONU aprovou na quinta-feira, por voto decisivo de 128 a nove, com 35 abstenções, uma moção que rejeita a decisão dos EUA de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.

Jornal JA7: 22 dezembro 2017 – 01:13

A Assembléia Geral da ONU aprovou na quinta-feira, por voto decisivo de 128 a nove, com 35 abstenções, uma moção que rejeita a decisão dos EUA de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.

O presidente Donald Trump alertou antes da votação na assembléia da nação 193 que “estamos assistindo” e ameaçamos represálias contra países que apoiam a medida, o que reafirma que o status de Jerusalém deve ser resolvido através de negociações.

Sete países – Guatemala, Honduras, Togo, Micronésia, Nauru, Palau e as Ilhas Marshall – se juntaram a Israel e aos Estados Unidos para se oporem à medida.

Entre os 35 países que se abstiveram foram a Argentina, Austrália, Canadá, Croácia, República Checa, Hungria, Letônia, México, Filipinas, Romênia e Ruanda.

A Ucrânia, que apoiou o projeto de resolução no Conselho de Segurança, estava entre os 21 países que não apresentaram a votação.

A medida foi enviada à Assembléia Geral depois que foi vetada pelos Estados Unidos no Conselho de Segurança na segunda-feira, embora todos os outros 14 membros do conselho tenham votado a favor.

“Os Estados Unidos vão se lembrar deste dia”, disse o embaixador dos EUA, Nikki Haley, à assembléia.

“A América colocará nossa embaixada em Jerusalém”, disse Haley. “Nenhum voto nas Nações Unidas fará qualquer diferença nisso.

“Mas este voto fará a diferença em como os americanos olham para a ONU e sobre a forma como olhamos os países que nos desrespeitam na ONU”, disse ela.

“Quando fazemos contribuições generosas para as Nações Unidas, também temos uma expectativa legítima de que nossa boa vontade seja reconhecida e respeitada”.

Embora as resoluções da Assembléia Geral não sejam vinculativas, um forte voto de apoio tem peso político.

Israel aproveitou o setor oriental em grande parte árabe de Jerusalém durante a Guerra dos Seis Dias de 1967 e depois o anexou, reivindicando ambos os lados da cidade como sua “capital eterna e indivisa”.

Mas os palestinos querem o setor oriental como a capital do seu futuro estado e se opõem ferozmente a qualquer tentativa israelense de estender a soberania lá.

Várias resoluções da ONU convidam Israel a retirar-se do território apreendido em 1967 e a resolução contém o mesmo idioma que as moções passadas adotadas pela assembléia.

 

Tags: Mundo, Manchetes

Mostre mais

# Adalberto

Adalberto é jornalista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo