O escândalo de fraude por trás de ‘superônibus’ chinês que trafegaria sobre carros
Avalie esta postagem

Foi uma proposta inovadora ou simplesmente um golpe?

A polícia de Pequim, na China, prendeu 32 pessoas por arrecadarem ilegalmente fundos para o projeto do Ônibus de Trânsito Elevado (TEB, na sigla em inglês), projeto de transporte de massa pensado para evitar congestionamentos ao trafegar sobre os carros.

A ideia atraiu grande atenção internacional quando foi apresentada na Exposição Internacional de Alta Tecnologia de Pequim em maio de 2016, onde visitantes puderam observar uma miniversão do invento em funcionamento. A BBC Brasil chegou a noticiar a apresentação do protótipo em Pequim e um teste feito na cidade de Qinhuangdao em agosto de 2016.

Mas, poucos meses depois, cresceu a especulação de que tudo não passava de um esquema criminoso. O projeto foi cancelado em junho. A imprensa chinesa divulgou que a estação de testes do TEB em Qinhuangdao fora demolida.

A polícia prendeu 31 pessoas, entre elas, Bai Zhiming, diretor-executivo da TEB Technologies, empresa que estava à frente da iniciativa, e fundador da companhia de financiamento Huaying Kailai Asset Management.

Aos investidores, haviam sido oferecidos lucros de 12% sobre o capital que colocassem no negócio, mas, segundo a mídia chinesa, a oferta teria sido uma forma de atrair essas pessoas para que comprassem produtos financeiros da Huaying Kailai.

Na China, são comuns golpes em que sites oferecem grandes retornos para investimentos em novas empresas, uma área ignorada pelos bancos estatais do país.

Em um comunicado, a polícia disse estar trabalhando para recuperar o dinheiro dos investidores do TEB.

Dúvidas

O ceticismo quanto ao novo modelo de ônibus – um veículo elétrico mede 21 metros de comprimento por 7,6 metros de largura e 5 de altura, – começou a surgir quando, após os primeiros testes realizados em agosto de 2016, foram suspensos os testes subsequentes.

Muitos questionavam se o veículo poderia fazer curvas ou passar embaixo de pontes. Outros perguntavam como ele dobraria as esquinas ou se era suficientemente forte para suportar seu próprio peso e o dos passageiros. A expectativa era de que o “superônibus” pudesse levar até quatro vagões, permitindo o transporte de 1,2 mil passageiros.

Alguns observaram que o modelo usado nos primeiros testes foi o mesmo apresentado há seis anos, quando a ideia surgiu, o que apontava que não havia sido feito nenhum progresso técnico significativo nesse tempo.

Também não se sabia se o ônibus havia sido ou não aprovado pelas autoridades. O jornal Financial Times chegou a informar que o governo de Qinhuangdao, na Província de Hebei, no nordeste da China, onde estava sendo testado o TEB, disse que investiria US$ 1,5 milhão no projeto.

 

BBC