Política: Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, quer prisão do senador Aécio Neves
Avalie esta postagem

Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, quer prisão do senador Aécio Neves. A detenção do presidente licenciado do PSDB é “medida essencial e urgente” para Preservar a ordem pública

31/07/2017 – 22:29:51

O procurador-geral do Brasil, Rodrigo Janot, solicitou na segunda-feira (31) ao Supremo Tribunal Federal (STF) que reconsidere uma decisão que negue o mandado de prisão do senador Aécio Neves (PSDB-MG), dizendo que a detenção do presidente licenciado do PSDB é “medida essencial e urgente” para Preservar a ordem pública.

De acordo com a Procuradoria Geral da República, o pedido foi apresentado ao Ministro Marco Aurélio Mello, que informa sobre o caso do Supremo Tribunal envolvendo a Aécio e a delinquência de executivos da J & F, holding que controla a JBS. Se Marco Aurélio não reconsidere a decisão, Janot pede que um apelo seja analisado com urgência pelo Primeiro Painel do STF.

“A robusta coleção de provas trazidas perante os tribunais desta ação preventiva – destacando as evidências recolhidas das ações controladas e interceptações telefônicas, todas devidamente autorizadas pelo Ministro Edson Fachin – não deixam dúvidas de que, no momento do mandado de prisão, como os demais , O senador Aécio Neves também estava tecnicamente em flagrante delito em relação aos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa e constrangimento para a investigação criminal que envolve a organização criminosa “, disse Janot.

O procurador-geral também pede que, se o tribunal decidir não aceitar o pedido de detenção de Aecio, que ele seja removido do cargo e de qualquer função pública, ele é proibido entrar no Congresso Nacional, está sujeito a monitoramento eletrônico e está impedido de entrar em contato Com qualquer pessoa investigada na operação Lava Jato, além de ser forçada a entregar seu passaporte.

Em uma declaração, a defesa de Aécio afirmou que ainda não teve acesso à petição de Janot, “mas permanece calmo sobre manter a decisão do ministro Marco Aurélio, que, ao revogar as medidas cautelares impostas contra o senador, promoveu uma aplicação precisa de medidas constitucionais regras.”

“A renovação de um pedido de prisão contra o senador Aécio representa uma tentativa clara e repreensível de zombar do texto expresso da Constituição Federal, como afirmou o ministro Marco Aurélio”, disse a nota assinada pelo advogado Alberto Zacharias Toron, que representa o toucan.

Aécio foi gravado em uma conversa com o empresário Joesley Batista, no qual ele lhe pediu 2 milhões de reais para ser usado para pagar sua defesa em indagações de que ele é alvo do Lava Jet. Os recursos foram entregues a Frederico Pacheco, primo de Aecio, que foi preso, bem como a irmã do toucan Andrea Neves.

A entrega do dinheiro foi filmada em uma ação controlada realizada pela Polícia Federal.

Aécio foi finalmente demitido quando o relator para o caso ainda era o ministro Edson Fachin, mas a decisão foi posteriormente revista, assim como as prisões de Frederico Pacheco e Andrea Neves, convertidas em prisão domiciliar.

O toucan nega qualquer irregularidade e diz que inicialmente venderia um apartamento familiar para Joesley para pagar sua defesa. O empresário, segundo Aécio, teria oferecido um empréstimo que, de acordo com o senador, mais tarde seria regularizado.

Ele afirma que isso não aconteceu porque ele foi vítima de um “quadro” de Joesley, que procurou incriminá-lo por um acordo premiado.

 

Política, Brasil, Manchetes, Aécio Neves, Rodrigo Janot, Notícias do Brasil, Notícias da Política, Jornal JA7