Brasil

Segundo FAB, gravador de áudio de avião que levava Teori não indica anormalidade em aeronave

Segundo FAB, gravador de áudio de avião que levava Teori não indica anormalidade em aeronave
Avalie esta postagem
Por Reuters

Uma análise preliminar dos dados recuperados do gravador de áudio do avião que caiu no mar de Paraty matando o ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki aponta que não houve anormalidade nos sistemas da aeronave antes do acidente da semana passada, afirmou nesta terça-feira o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

“O chip de memória do gravador de voz da cabine do avião está sendo avaliado por uma equipe do laboratório de leitura e análise de dados de gravadores de voo (Labdata) do Cenipa. Em uma análise preliminar, os dados extraídos não apontam qualquer anormalidade nos sistemas da aeronave”, disse a Força Aérea Brasileira (FAB) em comunicado.

De acordo com o coronel Marcelo Moreno, chefe da divisão de operações do Cenipa, o equipamento conhecido como caixa-preta gravou os últimos 30 minutos de áudio do voo, incluindo sons importantes para a investigação do acidente além das vozes.

“Nós analisamos sons diferentes, em que possamos identificar, hipoteticamente falando, o ruído de um trem de pouso sendo baixado, a aplicação de algum grau de flap ou outro equipamento aerodinâmico da aeronave”, afirmou o coronel no comunicado.

O gravador de áudio foi encontrado por mergulhadores da Marinha na tarde de sexta-feira, um dia após a queda do avião PR-SOM que levava o ministro do STF Teori Zavascki e mais quatro pessoas. O Cenipa conseguiu extrair com sucesso os dados da caixa-preta apesar de o aparelho ter sido danificado pela água salgada do mar.

De acordo com o jornal Folha de S.Paulo desta terça-feira, os registros de áudio da cabine do avião teriam captado conversas do piloto da aeronave com outros pilotos que voavam pela região, nas quais ele disse que esperaria a chuva diminuir antes de pousar. Pouco depois a gravação teria sido interrompida, de acordo com análises preliminares.

Segundo o jornal, o áudio não explica exatamente o que aconteceu, e a investigação depende também de outros fatores para esclarecer o motivo da queda.

Além da recuperação da caixa-preta, uma empresa contratada pelo Grupo Emiliano, proprietário do avião, já retirou os destroços da aeronave do mar de Paraty. O material seria levado ao Rio de Janeiro para ser periciado e analisado na base aérea do Galeão.

Na segunda-feira a Justiça Federal do Rio de Janeiro informou que foi decretado sigilo nas investigações sobre a queda do avião.

Havia expectativa de que em fevereiro Teori, relator da operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, decidisse sobre a homologação dos acordos de delação premiada com 77 executivos da Odebrecht, com potencial de impactar o meio político.

Deixe uma resposta

Close