AgriculturaAgronegócioDestaqueEconomiaGoiâniaGoiásGoverno de GoiásManchetesNotíciasPolíticaSaúde

Em homenagem ao Dia do Conselheiro Tutelar, Gracinha Caiado enfatiza a importância desses profissionais na proteção da infância e juventude

Durante uma sessão solene na Assembleia Legislativa de Goiás nesta quinta-feira (23/11), a primeira-dama e coordenadora do Goiás Social, Gracinha Caiado, exaltou a importância do trabalho dos conselheiros tutelares do estado. Ela destacou o papel crucial desses profissionais ao enfrentarem os momentos mais difíceis vividos por crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade.

O evento, proposto pelo presidente da casa, deputado Bruno Peixoto, foi realizado em homenagem ao Dia do Conselheiro Tutelar, estabelecido por Lei Federal desde 2017 para 18 de novembro. Na ocasião, 400 servidores públicos municipais foram reconhecidos com Certificados do Mérito Legislativo por seu compromisso e serviço dedicado às crianças e adolescentes.

O deputado Bruno Peixoto ressaltou a dignidade do trabalho dos conselheiros tutelares, mencionando que eles lidam com situações de risco e cuidam das crianças em momentos delicados. Ele expressou disposição em apoiar a demanda da categoria pela inclusão no plano de saúde Ipasgo.

Gracinha Caiado enfatizou a responsabilidade compartilhada, conforme preconiza o Estatuto da Criança e do Adolescente, para garantir os direitos desses grupos, destacando a importância da participação da família, comunidade, sociedade e Poder Público. Ela se mostrou aberta ao diálogo para a execução conjunta de políticas sociais, citando programas como Mães de Goiás, Aprendiz do Futuro e Bolsa Estudo, iniciativas do Governo de Goiás.

Durante o evento, Sudário Alberto de Souza, presidente da Associação dos Conselheiros e ex-conselheiros tutelares de Goiás, explicou o funcionamento da entidade e a luta pela conquista de uma sede própria para os 262 conselhos do estado. Ele enfatizou a importância de transformar o papel dos conselheiros no cotidiano e mencionou a batalha de 33 anos para ter uma legislação única no Brasil no processo de escolha dos candidatos às eleições.

Os conselheiros tutelares são eleitos a cada quatro anos pelo voto popular, com chance de reeleição, e têm a responsabilidade de fiscalizar se a família, comunidade, poder público e sociedade em geral estão garantindo os direitos das crianças e adolescentes.

Avalie o Post post

Mostre mais

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo